Paraíba

Sefaz-PB lança Banco de Dados ágil e eficiente para fiscalização de estabelecimentos

A Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB) lançou mais uma ferramenta para a modernização do setor de fiscalização, desta vez para o trabalho de auditoria de estabelecimentos. É o BDFISC (Banco de Dados de Fiscalização), um serviço criado no ambiente SQL Server da Sefaz, que disponibiliza um banco de dados do contribuinte auditado, contendo inúmeros relatórios de análises, objetivando auxiliar o trabalho dos auditores tributários.

O BDFISC auxilia o trabalho do auditor fiscal, trazendo agilidade na obtenção dos dados, além de eficiência na análise destes com base nos relatórios pré-formatados, possibilitando, assim, a realização de um volume maior de análises para realização da auditoria.

DE FÁCIL MANUSEIO – Segundo o gerente operacional de Fiscalização de Estabelecimento da Sefaz-PB, João Fernandes de Araújo, o BDFISC surgiu para dar solução às necessidades dos auditores e da administração. “A simplicidade da ferramenta é aliada à funcionalidade, que é uma característica marcante do BDFISC, de baixíssimo custo e manutenção”, comentou.

A nova ferramenta começou a ser projetada em 2019 com a sua idealização, entrou na fase de implementação em janeiro de 2020 e no último mês de abril em produção. A simplicidade é um dos princípios da ferramenta que, para sua utilização imediata, bastam algumas orientações. O BDFISC, contudo, oferece vários recursos mais avançados que, com a prática no seu manuseio, o auditor poderá melhor utilizá-la e explorá-la na sua totalidade.

DESENVOLVIDA POR GERÊNCIAS – O gerente João Fernandes explicou que a nova ferramenta BDFISC foi “idealizada e desenvolvida em parceria entre a Gerência Operacional de Fiscalização de Estabelecimentos (Gofe) e a Gerência de Tecnologia da Informação (GTI) da Sefaz-PB, e traz inúmeros avanços, dentre eles: agilidade na obtenção dos dados e na execução da ordem de serviço, otimizando-a; padronização dos procedimentos, sem inibir a capacidade investigativa do auditor; e nivelamento dos auditores, pois aqueles com menos conhecimentos de informática passam a ter condições de aprofundar suas análises”, comentou.

COMO FUNCIONA A FERRAMENTA – Sobre o detalhamento da ferramenta, Adriana Cassia Lima Urbano, supervisora da Gerência Operacional de Fiscalização de Estabelecimentos, informou que, dentro do servidor BDFISC “é criado um banco de dados para cada ordem de serviço e permitido o acesso do auditor apenas para aquela ordem de serviço que fora designado, garantido a compartimentação dos dados e das informações. Uma vez autorizada uma ordem de serviço no ATF (sistema corporativo da Sefaz) é criado o banco de dados no BDFISC, e, assim, concedida a permissão ao auditor para acessá-lo a partir de sua ciência na OS (Ordem de Serviço). O processo de criação do banco e concessão de permissão ao auditor é feito totalmente de forma automática, a partir das rotinas já existentes e inerentes à ordem de serviço, ou seja, os procedimentos no ATF continuam os mesmos, da emissão ao encerramento, sem a necessidade de qualquer interferência humana”, detalhou.