Esporte e Lazer

Jornal pede desculpa por comparar jogador do Barça a ambulante negro fugindo da polícia

O jornal espanhol ABC divulgou um pedido de desculpas ao astro do Barcelona Ansu Fati depois que a reportagem sobre a vitória da equipe contra o húngaro Ferencváros pela Liga dos Campeões comparou sua velocidade à de “um vendedor ambulante fugindo da polícia”.

O jogador de 17 anos impressionou na vitória do Barça por 5 x 1 contra a equipe húngara na terça-feira, anotando o segundo gol do time.

No entanto, o pós-jogo foi marcado pela descrição feita pelo jornal do jogador da seleção da Espanha nascido na Guiné-Bissau.

“Ansu correndo tem algo de uma gazela, de um vendedor ambulante negro, muito jovem, que você de repente vê correndo pelo Paseo de Gracia quando alguém grita: ‘Água! Água!’ (para alertar outros ambulantes) anunciando a chegada da polícia”, escreveu o jornal.

“Agora isso não acontece, porque, para Ada Colau (prefeita de esquerda de Barcelona), os criminosos são os policiais, não os vendedores ambulantes, que não precisam mais fugir. Também é verdade que sem os turistas, os negócios estão fracos.”

O ABC é um jornal conhecido na Espanha por favorecer políticos de direita e defender suas políticas.

O autor do texto, Salvador Sostres, emitiu um pedido público de desculpas no site do jornal nesta quinta-feira. Mas informações da imprensa local sugeriram que o Barcelona adotará medidas legais.

“Na crônica do Barça, sobre sua partida contra o Ferencváros, em minha vontade de elogiar a beleza dos movimentos de Ansu e sua classe como um jogador muito jovem, algumas expressões foram tomadas como uma discriminação racista”, disse.

“Nada mais distante da minha intenção e de minha opinião, muito favorável ao jogador, como expressei em todas as minhas crônicas desde que estreou. Lamento profundamente o mal-entendido e peço desculpas a quem possa ter se sentido ofendido.”

O texto foi amplamente condenado nas redes sociais, e o atacante do Barcelona Antoine Griezmann tuitou: “Ansu é um garoto excepcional que merece respeito, como qualquer outro ser humano. Não ao racismo e à falta de educação.”

Colau também exigiu um pedido de retratação do jornal e escreveu no Twitter: “Todo meu apoio a Ansu Fati e a todos os jovens anônimos vítimas dessa caracterização e estigma por causa da cor de sua pele.”