Moda

Havaianas: o chinelo de tiras é o calçado preferido na pandemia

Não existe calçado mais democrático do que um par de Havaianas. “O milionário e o motorista de ônibus usam o mesmo chinelo de dedo e pagam os mesmos 17,90 reais”, diz Fernanda Romano, diretora de marketing da Alpargatas, que controla a Havaianas.

Esse é sem dúvida um dos fatores que contaram para a boa colocação da marca na Casual Brands, pesquisa de marcas mais admiradas em estilo de vida realizada pela Casual com os leitores da EXAME, em que 932 pessoas responderam. A Havaianas venceu na categoria calçados, com 27,16% da preferência. Em seguida veio a Arezzo, marca de calçados femininos voltado para o público A/B, com 23,05%. E na terceira colocação está a Democrata, de sapatos masculinos, com 18,94%

As sandálias que não soltam as tiras viraram hit durante o isolamento, quase o traje oficial de quem teve - e pôde, claro - ficar em casa na pandemia. Home office pede conforto. Como inovação, a Havianas lançou até uma meia própria para ser usada com o chinelo.

A empresa teve agilidade para se adaptar ao novo momento. De maio até o fim do ano passado, a Havaianas ativou 40 mil novos pontos de venda, passando de 260 mil para 300 mil posições, como por exemplo supermercados que puderam funcionar nos períodos mais críticos da pandemia.

A transformação digital também foi acelerada. Em outubro a companhia trouxe para dentro de casa toda a estratégia digital e passou a cuidar ela própria do canal de e-commerce, que antes terceirizado. Também nesse período foi lançacada a ponto.com da Havaianas, com uma apresentação moderna e totalmente repaginada, com foco em situações de uso - e que, claro, aproveitam para apresentar novos produtos, com vestuário e acessórios da marca.

Os resultados das ações nos números. A receita líquida da empresa alcançou R$ 1,1 bilhão, com crescimento de 10,5% sobre igual período do ano passado. O Ebitda recorrente da operação alcançou R$ 283 milhões nos três últimos meses do ano, com margem de 25,6%.

Também no ano passado, pela primeira vez, a Havaianas se associou a uma causa social, com o lançamento da linha Pride. Parte da receita das vendas dos chinelos dessa coleção é destinado à ONG All Out, de defesa dos direitos da comunidade LGBTQIA+. Foram vendidos já 150.000 unidades da Pride, com arrecadação de 260.000 reais, empregadas em ações da All Out no mundo inteiro.

Soma-se a isso o enorme portfólio da Havaianas, com mais de 200 famílias de modelos. Tem desde a baratinha de menos de 20 reais até o modelo Tradi Zori. Mais robusto, esse chinelo tem camada tripla, tira de tecido e formato mais quadrado. Seu posicionamento é o mesmo dos sneakers. As edições são limitadas, algumas com cores bastante chamativas.

Também admirada, a Arezzo, sinônimo de sapatos femininos de qualidade, teve destaque no ano passado, com a expansão do grupo capitaneado por Alexandre Birman. A empresa lançou no ano passado uma sandália de tiras também, a BriZZa, com campanhas com a atriz Bruna Marquezine no intervalo do Fantástico. Realmente chinelos estão em alta.