Moda

Conheça a nova marca da Gap e Kanye West, que pode valer US$ 970 milhões

O acordo de Kanye West com duas das maiores empresas de vestuário do mundo está valendo a pena para o músico que se tornou empresário depois de anos atolado em dívidas.

A Yeezy, o negócio de tênis e roupas de West em parceria com a Adidas e Gap, foi avaliada entre US$ 3,2 bilhões e US$ 4,7 bilhões pelo UBS, segundo documento privado revisado pela Bloomberg. O valor da nova parceria com a Gap, que chegará às lojas em meados do ano, pode chegar a US$ 970 milhões desse total, estimou o banco.

O documento do UBS revela as ambições de uma aliança que espera emular o sucesso da parceria com a Adidas. West, que detém a propriedade exclusiva e o controle criativo da marca Yeezy, assinou um contrato de 10 anos para projetar e vender roupas para homens, mulheres e crianças sob a marca Yeezy Gap. O acordo exclui calçados; a parceria de Yeezy com a Adidas está em vigor até 2026.

Representantes da Adidas, Gap e Yeezy não quiseram comentar sobre os acordos comerciais. O UBS não quis comentar a análise.

Executivos da Gap depositaram muita confiança em West para ajudar a atrair consumidores mais jovens. A varejista com sede em São Francisco, que também é dona da Old Navy, Banana Republic e Athleta, tem fechado lojas enquanto aposta em comércio eletrônico e roupas esportivas.

“Sem alguma forma de reinvenção, a empresa retornará às dificuldades anteriores, que a levaram a perder compradores, participação de mercado e vendas”, disse Neil Saunders, analista da GlobalData Retail, após o recente balanço trimestral da Gap.

Os investidores reconheceram imediatamente a importância de uma colaboração com West: as ações registraram a maior alta em pelo menos 40 anos quando o negócio foi anunciado em junho.

Os novos números sinalizam que a Gap espera que sua linha Yeezy, que planeja lançar até julho, registre vendas de US $ 150 milhões em seu primeiro ano completo em 2022, de acordo com o documento. A Gap prevê que a marca terá receita de bilhões em oito anos, com um caso positivo de vendas superiores a US$ 1 bilhão já em 2023, mostra o documento.

As vendas dos tênis Yeezy pela Adidas permaneceram resilientes durante a pandemia, crescendo 31%, para quase US$ 1,7 bilhão em receita anual no ano passado e rendendo à Yeezy US$ 191 milhões em royalties, de acordo com o documento.